Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2012

Árvore de Lisboa

 

Penso que é uma Ficus macrophylla, segundo a minha pesquisa, (felizes aqueles que conhecem os nome das árvores!), que com os seus 25 metros de copa fornece sombra suficiente para alguns lisboetas que matam o tempo jogando uma "suecada" nos bancos deste jardim lisboeta. Falo do Jardim Constantino, que deve o seu nome a Constantino José Marques de Sampaio e Melo, nascido a 18 de Agosto de 1802 em Torre de Moncorvo, vila transmontana que visitei há poucos dias e que aqui descrevi. Constantino José que veio de Tras-os-Montes para a Lisboa, veio a tornar-se um dos maiores e mais conhecidos floristas da época, com nome nas principais praças europeias.

Voltando à árvore, é, pelo seu porte e raízes, imponente, mas não é a arvore mais exótica que aqui se encontra, essa tem um porte mais pequeno e é mais rara e chama-se Melaleuca, que tem como particularidade a casca caduca. Lisboa tem mais de uma centena de espécies e mais de 600 mil árvores, fruto da nossa demanda pelo mundo e cujo clima mediterrânico propicia esta variedade.  

 

 

 

 

sinto-me:
publicado por rouxinoldepomares às 23:06
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De António José a 31 de Janeiro de 2012 às 20:48
Olá Amigo António Silva, muito boa noite.
Em tempos que já lá vão,tive um professor de Português (Prof. Cordeiro) que se repetia
muitas vezes,dizendo que a leitura integral de um jornal diário, era uma boa receita para
os seus alunos 'abrirem' o cérebro. Nos dias de hoje, retorquir-lhe-ia que: Visitando o
Rouxinol de Pomares, também não desmereceria no que toca a aprendizagem e conhecimentos,
tal é a 'bagagem' com que o titular 'despacha' as suas postagens diariamente!.
E o Amigo Rouxinol sabe bem 'através do contador' que 'ela' é toda levantada.
Escrevendo agora sobre o Jardim Constantino, nos tempos em que eu por lá passei, por acaso
nunca lá vi esse 'intretêm' das cartas, será que havia menos sombras? Ou menos desemprego?
O que eu sei é que o Constantino era bom! E em balão aquecido era 'bótimo'!!! E a moda de
assoprar o balão veio muito mais tarde!.
Amigo António Silva, foi um prazer estar a sua janela
Um abraço de amizade e até a próxima.

António José.
De bcmantunes a 2 de Fevereiro de 2012 às 22:33
Viva meu caro amigo António Manuel Silva.
Fantástica árvore!
O Jardim Constantino está realmente muito diferente. Esta é uma zona muito bonita da cidade de Lisboa. Logo ao lado tínhamos a Portugália. Um pouco mais adiante tínhamos e temos a Mexicana e outras pastelarias dignas desse nome como a VÁVÁ. Eu tinha também ali ao lado a casa dos meus Tios na Rua José Falcão.
Caríssimo António Manuel é sempre muito agrdável a visita este espacito.
Grande abraço,
Belchior Madeira Antunes

Comentar post

.Eu


. ver perfil

. seguir perfil

. 36 seguidores

.pesquisar

.Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. VII Capítulo da Confraria...

. Em Fátima a 13 de Maio

. Mostra de Ensino Profissi...

. A Tailândia na ARPIMS de ...

. Sra Ministra da Saúde em ...

. 2º Grande Prémio de Atlet...

. Festa Socialista em Aveir...

.arquivos

.tags

. todas as tags

.links

.últ. comentários

Que pena pintarem as casas de branco!Eram tão lind...
Adorei o teu comentário! Não tenho mais palavras! ...
Não é preciso dizer mais nada... como sempre o ami...
Foi com gosto que apreciei esta festa de Carnaval...
Não lhe sei responder...Sei que têm vendido alguma...
A Quinta da Marqueza encontra-se para venda ?
Que catastrófe as imagens dão arrepios.bjshttp//bl...
Impressionante! Ainda bem que nada lhes aconteceu.
Parabéns à Junta de Freguesia de Pomares, por as m...
A familia de minha Mãe de apelido Silva Campos é d...

.AVISO

Para evitar a calúnia e a difamação gratuíta, os comentários são moderados pelo autor do blog. Todos os comentários serão publicados, mas se estiver a pensar insultar ou difamar pessoas ou grupos, e de forma geral prejudicar a utilização leal deste espaço não se dê ao trabalho. Os comentários não serão publicados.