Sexta-feira, 8 de Junho de 2012

Não Há nada Como viver no Campo...

 

Não há nada como viver no campo...e o mesmo é dizer que não há nada como viver em Pomares e conviver com a natureza...

 

 

Ouvir o som da água a correr, límpida, na nossa Ribeira de Pomares...

 

 

Ver e cheirar as flores do campo, observar as abelhas, que na sua busca incessante de néctar fabricam um dos melhores produtos da natureza, o mel, e o mel da Serra do Açor recomenda-se...

 

 

 

Comer fruta directamente da árvore, sem receio de químicos...

 

 

Ver os primeiros frutos de uma jovem macieira...

 

 

Esperar pelos pêssegos que crescem na árvore...

 

 

 

Ver a saúde de um pequeno cacho em crescimento, que será "Moscatel Branco de Setúbal"...

 

 

Esperar por Setembro para fazer marmelada...

 

 

Plantar alfaces...passar um mês na cidade... chegar e ver que a natureza, com uma ajudinha da Ti Idalina a tirar as ervas mais teimosas...cumpriu o seu dever e é só arrancar...passar por água, temperar com um fio de azeite, vinagre de "Caruma's" e acompanhar o jantarito...

 

 

Lembram-se dos morangos? Pois, cresceram, o tempo não ajudou muito, mas os que apresentavam hoje a cor rubra...marcharam mesmo ali...

 

 

Lembram-se também do cebolo?...a coisa arrebitou...mas segundo os entendidos, o tempo frio que se fez não ajudou...esperemos que haja cebola...da rija de preferência, para poder acompanhar a alface...

 

 

As enxertias vingaram apesar de terem "levado" com umas geadas extra e fora do programa...

 

 

Desta vez a etiqueta da arvorezinha não vinha trocada...é mesmo Rainha Cláudia...já dá para ver...

 

 

Depois de jantar, já noite...pega-se no jipe e ala até aos nossos terrenos, porque os restos de carnes, em vez de irem para o caixote para cheirar mal, vão alimentar alguma rapozinha, porque os coelhos e perdizes não abundam por aqui...

 

 

Depois passa-se pelo café cá da terra, bebe-se um cafezinho, e é sempre um prazer dar dois dedos de conversa com o amigo Henrique.

Melhor? Não há nada como  viver no campo...digo eu!

 

 

 

sinto-me:
tags: ,
publicado por rouxinoldepomares às 02:10
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Segunda-feira, 26 de Setembro de 2011

Carumas's Late Harvest

 

Hoje ia falar de alguns assuntos tratados na Assembleia Municipal e Assembleia de Freguesia que decorreram no sábado pp, ia, mas por força da mãe natureza, que me pôs as uvas no "ponto", não me sobrou tempo algum e não irá sobrar por estes dias mais próximos. Contingências da vida do campo!

Todos sabem que gosto da terra e dos trabalhos do campo, e também todos sabem que na nossa freguesia, quer pelos terrenos quer pelo microclima, não se produzem bons vinhos, e é por isso mesmo que apelido o meu vinhito como Vinho de Caruma. Já contei a história várias vezes, um antigo colega e amigo dizia-me que, se cá na minha terra havia só pinheiros como é que eu queria ter vinho em condições?!!!

Normalmente o nosso vinho, e salvo algumas raras excepções, é um pouco ácido, de baixa graduação e multi castas, o que dá um produto difícil de equilibrar, quiçá mesmo para um enólogo, quanto mais para um pobre enófilo. Como sou teimoso e gosto de sentir o cheiro frutado do vinho em fermentação, e porque me dá algum gozo fazer vinho por processos antigos, deixo as uvas atingir uma maturação máxima possível, uvas quase passificadas, com desidratação natural dos bagos, e por consequência uma maior concentração de açúcar que normalmente é baixa.   Como a técnica de retardar a colheita é designada por Late Harvest, então porque é que o meu vinhito não poderá ser um Caruma's Late Harvest ???!!!

 

 

Não sou um expert em identificar as castas, mas presumo que esta é o Borrado das Moscas ou Bical...será?

 

 

Maturação no limite...e antes que chova!

 

 

Tenho vindo a plantar e a substituir algumas videiritas por castas mais nobres, e tenho preferência pela touriga nacional, que penso ter uma boa adaptação por aqui, assim com a Tinta Roriz, mas no caso da fotografia é um moscatel e está super doce, e para comprovar reparem na abelha que está do lado direito a sugar o néctar...

 

 

 

sinto-me:
tags: , ,
publicado por rouxinoldepomares às 23:50
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Quinta-feira, 23 de Junho de 2011

Ruralidades XXIII

 

Contrastando com as cidades onde impera o betão e o alcatrão de cor negra, no campo a paisagem vai mudando ao sabor das estações e com a ajuda do "Homem", que ceifando o feno empresta um dourado aos campos...

Paisagens de Pomares no mês de Junho.

 

 

 

 

sinto-me:
publicado por rouxinoldepomares às 00:10
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 10 de Agosto de 2010

É Tempo de...(1)

 

É tempo de ir às amoras silvestres!

Com o calor que se tem feito sentir, este ano as amoras amadureceram mais cedo que o habitual. Fruto de sabor ligeiramente ácido e adstringente, é usado para fazer doces, compotas e geleias, mas quem gostar dele ao natural, aconselho juntar-lhe uma colher de chantilly! É um fruto rico em vitaminas A,B,C, ácido cítrico e potássio e um excelente anti-oxidante. Consumir refrigerado de preferência, que agora está muito calor! Vão até ao campo pela fresca que as amoras nascem espontâneas, e cuidado com os picos...

 

 

sinto-me:
publicado por rouxinoldepomares às 19:36
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 6 de Agosto de 2010

É Tempo de...

 

É tempo de ir às pinhas...

Estamos em pleno Agosto de calor tórrido, os pinhais gemem e contorcem-se ao sol abrasador do meio-dia, as pinhas vão caindo e rolando pela caruma seca até se imobilizarem num qualquer recanto de uma urze ou carqueja. Agosto...Setembro...Outubro, ciclicamente voltamos aos frios e ao tempo de acender as lareiras, e é nessa altura que apreciamos o esforço de nos baixarmos vezes sem conta a apanhar pinhas, uma ajuda imprescindível para acender o lume de forma ecológica. É assim a vida do campo...

 

 

sinto-me:
publicado por rouxinoldepomares às 14:08
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Segunda-feira, 3 de Maio de 2010

Trabalhos de Campo

 

Se há coisas que me dão prazer é mexer na terra, ver as coisas a crescer, plantar arvores e plantas. É necessário de vez em quando cortar as ervas que prejudicam as outras coisas que nós plantamos. Sem o recurso a herbicidas, temos que puxar pelo "corpo", faz bem ao espírito, reduz o colesterol, e é quase ecologicamente perfeito, quase, porque a maquineta é a dois tempos e sempre "bota" uns fumos nocivos para a atmosfera, mas eu também não sou fundamentalista.

Até amanhã!

 

sinto-me:
publicado por rouxinoldepomares às 23:56
link do post | comentar | favorito

.Eu


. ver perfil

. seguir perfil

. 36 seguidores

.pesquisar

.Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Não Há nada Como viver no...

. Carumas's Late Harvest

. Ruralidades XXIII

. É Tempo de...(1)

. É Tempo de...

. Trabalhos de Campo

.arquivos

.tags

. todas as tags

.links

.Visitas

conter12

.últ. comentários

Que pena pintarem as casas de branco!Eram tão lind...
Adorei o teu comentário! Não tenho mais palavras! ...
Não é preciso dizer mais nada... como sempre o ami...
Foi com gosto que apreciei esta festa de Carnaval...
Não lhe sei responder...Sei que têm vendido alguma...
A Quinta da Marqueza encontra-se para venda ?
Que catastrófe as imagens dão arrepios.bjshttp//bl...
Impressionante! Ainda bem que nada lhes aconteceu.
Parabéns à Junta de Freguesia de Pomares, por as m...
A familia de minha Mãe de apelido Silva Campos é d...

.AVISO

Para evitar a calúnia e a difamação gratuíta, os comentários são moderados pelo autor do blog. Todos os comentários serão publicados, mas se estiver a pensar insultar ou difamar pessoas ou grupos, e de forma geral prejudicar a utilização leal deste espaço não se dê ao trabalho. Os comentários não serão publicados.