Domingo, 26 de Janeiro de 2014

Tradições de Aldeia

 

Às vezes dou por mim a pensar que perdi muitas das características de origem, da minha condição de serrano e aldeão, e da minha origem camponesa. Perdi características devido à vivência em meio urbano durante décadas, onde os ovos e as galinhas vêm do supermercado, e às tantas já não somos capazes de matar uma galinha ou um coelho para nos alimentarmos, coisa mais natural do mundo para um aldeão que tinha que produzir para comer, e se queria carne tinha que matar. Vem tudo isto a propósito da tradicional matança do porco, que tem legislação que chegue...mas não há legislação que nos mate a fome nem que nos venha administrar a casa. Nas aldeias, a matança do porco era também uma forma de convívio ente os vizinhos mais próximos que se entreajudavam, cuja tradição e partilha foi caindo em desuso, e hoje só aqui ou ali ainda se pode assistir. A morte de um animal não é coisa agradável de ver, mas faz parte da vida de uma aldeia, e se considerarmos que o animal foi criado para alimentação humana, para sustento da casa, e que quem o matou traz consigo a experiência de muitas centenas e  meio século de faca afiada, o sofrimento não será maior do que o stress em fila de espera num grande matadouro.

Enfim, o arroz de sarrabulho estava muito bom, e os rojões que se pode dizer (?), se o porquito foi criado com a ração caseira, batatas couves e tudo o que a terra produz, afinal é aqui que  a carne é diferente e o sacrifício compreensível.
Para os meus amigos, desejo-lhes saúde para criarem sempre o seu porquinho. Por tudo, e porque merecem! 

 

 

Quem não gosta de uma morcela?

 

 

Depois espera-as o fumeiro...

 

 

Segue-se a desmancha depois de escorrido...

 

 

E nada se perde...tudo é aproveitado...

 

 

Até a lingua...que esta não dizia mal de ninguém...

 

sinto-me:
publicado por rouxinoldepomares às 23:29
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 14 de Outubro de 2009

Não Foi Feijoada de Beiça!

 

Não é beiça de porco com feijão!  Isso é comida abrutalhada!

Nestes últimos meses ganhei muitos amigos. Conheci gente boa, honesta e amiga.

Ontem, o amigo Artur Fontinha juntou um grupo de amigos em sua casa para jantar. E meus amigos, nem sei se vos conte, que jantar! Só para vos dar uma ideia:  Para além de presunto, queijos e chourição de excelência, a entrada foi tão somente angulas ou meixón, e que delícia. O resto afinou pelo mesmo diapasão. Um luxo. É um espanto o amigo Artur Fontinha e a sua esposa Victória que tão bem sabem receber, e o Artur é um cozinheiro de fazer inveja a muitos que figuram no Guia Michelin.

 

 

O amigo Artur Fontinha também sabe enfeitar a travessa.

 

 

O grupo de amigos

 

 

Um brinde à amizade.

 

 

Boa disposição.

Daqui de Pomares para o amigo Artur Fontinha e esposa D. Victória, desejo que façam boa viagem até San Sebastian, e lá ou cá, até um dia destes.

 

 

sinto-me:
publicado por rouxinoldepomares às 02:35
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
Sábado, 17 de Janeiro de 2009

A Criar o Talho

Andei por aí e os donos mostraram-me os seus animais que registei e partilho convosco. 

Ambas as espécies são mamíferos de grande importância económica para o homem desde tempos remotos, e só nas nossas aldeias, onde a ruralidade é uma mais valia, que permite a criação de animais e onde se aprende a dar o valor e a real importância que têm no peso do orçamento familiar. São também criados e alimentados de uma forma natural, livre de produtos químicos e de rações transgénicas (observei isso mesmo).  O cheiro da terra e o contacto com os animais é uma terapia anti-stress.

 

sinto-me:
tags: ,
publicado por rouxinoldepomares às 01:13
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito

.Eu


. ver perfil

. seguir perfil

. 36 seguidores

.pesquisar

.Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Tradições de Aldeia

. Não Foi Feijoada de Beiça...

. A Criar o Talho

.arquivos

.tags

. todas as tags

.links

.últ. comentários

Comprei esta variedade nos Viveiros Valter.
Não deve ser fácil encontrar uma videira desta cas...
Ando à procura de um par de pés desta casta, mas n...
Também tenho uma de quando andava na v
Que pena pintarem as casas de branco!Eram tão lind...
Adorei o teu comentário! Não tenho mais palavras! ...
Não é preciso dizer mais nada... como sempre o ami...
Foi com gosto que apreciei esta festa de Carnaval...
Não lhe sei responder...Sei que têm vendido alguma...
A Quinta da Marqueza encontra-se para venda ?

.AVISO

Para evitar a calúnia e a difamação gratuíta, os comentários são moderados pelo autor do blog. Todos os comentários serão publicados, mas se estiver a pensar insultar ou difamar pessoas ou grupos, e de forma geral prejudicar a utilização leal deste espaço não se dê ao trabalho. Os comentários não serão publicados.